Calendário

Pessoas LGB+ têm mais que o dobro de chance de sofrer qualquer tipo violência, constata estudo

Estudo inédito recém-publicado por pesquisadores da UFMG, em parceria com Ministério da Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), constatou que lésbicas, gays, bissexuais e outras minorias sexuais (LGB+) no Brasil têm mais que o dobro de chances de sofrer violência psicológica, física e sexual em relação às pessoas que se auto identificaram heterossexuais.

A pesquisa, que utilizou base de dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019, contou com a participação de 88.531 pessoas com 18 anos ou mais residentes no Brasil. As pessoas LGB+ tiveram 2,52 vezes mais chances de sofrer violência que as heterossexuais. Os homens que se declararam LGB+ tiveram 2,69 vezes mais chances de sofrer violência que os heterossexuais e as mulheres LGB+ tiveram 2,40 vezes mais chances que as heterossexuais, no período de 12 meses anterior à pesquisa.

 

site Grafico violencias LGBFonte: IBGE com elaboração dos pesquisadores do estudo

A coordenadora do estudo e professora da Escola de Enfermagem da UFMG, Deborah Carvalho Malta relata que devido ao fato de se diferirem do esperado enquanto padrão estabelecido, essa população encara discriminação, vulnerabilidades e invisibilidade, sofrendo o chamado preconceito contra a diversidade sexual. “Uma das consequências desse preconceito é a maior susceptibilidade dessa população à violência. A violência é um problema de Saúde Pública e seu enfrentamento faz parte dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030. Pessoas expostas à violência podem apresentar desfechos desfavoráveis em saúde, tanto psicológicos como físicos e sexuais. Dentre as principais consequências de atos violentos, pode-se destacar a depressão, transtorno do estresse pós-traumático, fraturas, traumatismos cranianos, além de contaminação por infecções sexualmente transmissíveis e gravidez não desejada”, enfatizou.

Ela destaca, ainda, que essa investigação sobre a orientação sexual de brasileiros adultos foi incluída pela primeira vez na PNS e que levanta múltiplas possibilidades de análises quanto à saúde e os fatores de risco e proteção da população LGB+, dentre elas, a violência.

Conforme o estudo, as pessoas LGB+ têm três vezes mais chances de serem vítimas de violência física, 14,7% informaram terem sofrido algum tipo desta violência, entre os heterossexuais, a parcela foi de 3,82%. No que diz respeito à violência sexual, a possibilidade de pessoas LGB+ passarem por esse tipo de violência é quase cinco vezes maior (4,86%) que a de heterossexuais (0,68%). "Dentre muitas questões que envolvem essa situação, uma delas é a ocorrência de “estupro corretivo”, em que pessoas não-heterossexuais sofrem abusos em que a intencionalidade do agressor é controlar o comportamento social e/ou sexual da vítima", relata a professora. Já a violência psicológica, mais frequente que os outros dois tipos, atingiu 40,03% dos entrevistados LGB+ e 16,73% da população heterossexual.

Em todos os subtipos de violência, as maiores prevalências ocorreram entre mulheres LGB+ (psicológica 40,53%); (física 15,84); (sexual 5,50%) e as menores prevalências foram entre homens heterossexuais (psicológica 15,33%); (física 3,71%); (sexual 0,34). “Esse achado demonstra que existe um aumento da vivência de violência a partir do acúmulo de vulnerabilidades sociais que as pessoas experienciam. Mulheres lésbicas e bissexuais sofrem com uma dupla discriminação: sexismo e preconceito contra a diversidade sexual”, explica Deborah.

Informação subnotificada
A pesquisa constatou que o percentual de pessoas que se recusaram a responder à pergunta sobre orientação sexual foi de 2,28%, superando o de pessoas que se autoidentificaram LGB+ (1,89%). “Esse fato demonstra que a questão da diversidade sexual é estigmatizante no Brasil. A população LGB+ sofre historicamente com preconceitos e discriminações de cunho religioso, moral e até mesmo de assistência à saúde. Dessa forma, muitas vezes as pessoas tentam esconder sua orientação dissidente e a recusa a responder à questão pode ser uma forma de se proteger”, relata

A professora Deborah salientou que o estudo sobre a violência tem grande relevância no contexto da população LGB+, uma vez que permite compreender a complexidade da vulnerabilidade a que este grupo está exposto. “Assim, conhecer as características desse agravo favorece a implementação e fortalecimento de Políticas Públicas que visem o enfrentamento ao preconceito contra a diversidade sexual e seja possível garantir os direitos”, conclui.

A equipe da pesquisa é formada também pelas doutorandas do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da UFMG Nádia Machado de Vasconcelos e Isabella Vitral Pinto, a aluna de pós-doutorado em Enfermagem Gisele Nepomuceno de Andrade, Adauto Martins Soares Filho, do Departamento de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis, Ministério da Saúde e Cimar Azeredo Pereira, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.