Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

Professora da Nutrição fala dos desafios e perspectivas do ambiente alimentar antes e depois da pandemia

“É esperado que a pandemia da Covid-19 aumente as disparidades nos comportamentos de saúde, perpetuando uma sinergia complexa, mas evitável, das condições de nutrição da obesidade, má nutrição e Insegurança Alimentar Nutricional que contribuem para o desenvolvimento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT)” , afirma a professora do Departamento de Nutrição da Escola de Enfermagem da UFMG, Larissa Loures Mendes, ao abordar as questões referentes ao Sistema Alimentar, Ambiente Alimentar e a Pandemia da Covid-19.

Ela destaca que, em todo o mundo, os ambientes alimentares estão mudando rapidamente em dimensões externas (disponibilidade de alimentos, preços, fornecedores) e dimensões pessoais (acesso geográfico, acessibilidade, conveniência e desejabilidade). Estas mudanças no ambiente alimentar, segundo Larissa, estão influenciando as práticas dietéticas dos consumidores e podem levar ao agravamento de problemas nutricionais.
Larissa LouresPara a professora, o ambiente alimentar e os padrões de consumo de alimentos mudaram com o progresso da pandemia de Covid-19, com aumento no consumo de alimentos processados e ultraprocessados. “Esses alimentos são ‘fisicamente’ mais acessíveis, tornando-se a principal opção para a população cujo poder de compra está sendo fortemente afetado pela crise da Covid-19”. Além disso, ela pontua que as questões do sobrepeso, obesidade e as DCNT associadas a essas condições aumentam as chances de ter um caso grave de COVID-19 se a infecção ocorrer e que existe um círculo vicioso entre a pandemia e a má nutrição a medida que o impacto e a duração da crise da Covid-19 se estendem.

Larissa Loures ressalta que o grande problema é a inércia política, já que as respostas dos governos dos países à obesidade, à desnutrição e às mudanças climáticas como problemas separados têm sido lentas e inadequadas. "Essa inércia política deriva da relutância dos gestores públicos em implementar políticas efetivas, da forte oposição motivada por interesses comerciais, e da demanda insuficiente por mudanças pela população e sociedade civil", relata.

No que diz respeito às soluções e recomendações, a professora ressalta que políticas bem-sucedidas para promover ambientes alimentares saudáveis levarão a ambientes públicos e privados nos quais a publicidade, as atribuições e os incentivos de preços favorecerão as opções mais saudáveis de alimentos e bebidas, impulsionando seu consumo e demanda. “Ambientes alimentares construídos informais que dependem de produtos agrícolas locais são mais resistentes e resilientes durante a pandemia Covid-19 em comparação com ambientes alimentares construídos formais que dependem de longas cadeias de abastecimento global. Além disso, o cultivo de alimentos seguindo uma abordagem agroecológica é mais resistente durante a pandemia em comparação com cultivos dependentes de insumos externos. Consumidores capacitados, conscientes e conectados também são necessários”.

O que pensar para o ambiente alimentar após a pandemia da Covid-19?
A crise da Covid-19, de acordo com a professora, é uma oportunidade para integrar a democracia alimentar nos sistemas alimentares pós-pandemia. Ela enfatiza a importância de informações verdadeiras e opções genuínas de alimentos oferecidos aos consumidores; do envolvimento e engajamento dos consumidores no processo de tomada de decisão das escolhas alimentares; de ambientes alimentares que promovam saúde, segurança alimentar e nutricional e sustentabilidade; melhoria dos direitos dos agricultores e trabalhadores agrícolas;e restauração da confiança no sistema alimentar e nas suas instituições.