Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

No Dia da Ciência, especialistas debatem as pandemias do presente e as do passado

“Hoje todos fazem a pergunta: cadê a vacina contra a covid-19? Mas neste momento, em que 130 vacinas já estão sendo testadas em todo o mundo, sendo 16 na fase de testes clínicos, das quais duas no Brasil, uma nova reflexão se faz necessária: como está sendo a nossa relação com o meio ambiente?”

DIA DA CIENCIAA reflexão foi proposta pela professora Ana Maria Caetano, do Instituto de Ciências Biológicas, ao lembrar que, muitas epidemias, como a do Ebola, do HIV (Aids) e do H1N1, por exemplo, surgiram de zoonoses, ou seja, da transmissão de microrganismos por animais, até então presentes em nichos reservados.

“Essa pandemia da covid-19 não será a última. Enquanto continuarmos invadindo nichos, numa relação sem controle com a natureza, continuaremos convivendo com epidemias, novos vírus e bactérias que se tornarão grandes desafios, mesmo com a ciência nesse patamar de enorme capacidade instrumental”, adverte a professora.

Ana Caetano participou, na manhã desta quarta-feira, dia 8, da programação regional em comemoração ao Dia Nacional da Ciência, dos Pesquisadores e Pesquisadoras e da fundação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), transmitida pelo canal da SBPC Minas no YouTube.

Ana Caetano retomou resumidamente a história da origem da primeira vacina, a antivaríola, pelo cientista inglês Edward Jenner, em 1798, e a influência dessa descoberta eficaz sobre as reflexões da área médica, até o século 20. “A convicção de que a doença é resultado de um fator específico, um agente externo que modifica o corpo, levou à conclusão de que, se combatermos esse agente, combatemos as doenças. Portanto, a relação com esses agentes, que até então estavam em um nicho reservado, precisa ser repensada”, reforçou.

A historiadora Anny Torres, da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), que também narrou a história da vacina contra a varíola, destacou igualmente a importante contribuição dos estudos desenvolvidos por Jenner para as futuras instalações de institutos de pesquisa em vacinas no mundo inteiro. E ainda os “percalços e dificuldades enfrentados para a difusão e implantação da vacinação nas sociedades”, no fim do século 18 e no século 19.

Pandemias: do 'castigo de Deus' aos novos paradigmas
As diferenças e semelhanças entre as pandemias, em um arco temporal que compreende da Peste Negra, no século 14, até a covid-19, no século 21, foram abordadas pelas pesquisadoras Dirlene Nascimento, da Fiocruz, e Rita de Cassia Marques, da UFMG

Para Dirlene Nascimento, todas as pandemias surgem de um lugar específico e seguem uma trajetória imprevisível. “Os impactos podem ser observados nas estruturas sociais, políticas e morais das sociedades, desnudando diversas questões, como as desigualdades sociais, afirma.

A pesquisadora lembrou que, após serem vistas como "castigo divino", no século 14, quando a ciência era incipiente, as pandemias ganharam novo olhar com a descoberta das bactérias e vírus, no início do século 20. Os novos paradigmas para as áreas médica e da saúde podem ser observados, no Brasil, com a luta de Oswaldo Cruz para implantar a vacinação contra a varíola e a criação do Instituto Butantã e Fiocruz.

“Medidas como a quarentena, impostas aos navios da cidade do Porto, foram seguidas no Brasil, para enfrentamento das epidemias de febre amarela, varíola e peste bubônica, com repercussão negativa para a economia, que, na época, era ancorada no comércio exterior. Ali já se observava a polarização, dada por uma postura política, entre medidas sanitárias e economia”, relatou Dirlene.

Negacionismo
O fenômeno da negação em relação a novas doenças, também presente nas sociedades passadas, é observado também na atualidade. Hoje, ele está perdurando, mais, na avaliação das pesquisadoras.

Rita Marques DIA DA CIENCIARita Marques destaca esse aspecto como um desafio da atualidade, embora a população já não devesse, na sua avaliação, estranhar medidas como quarentena, desinfecção e higienização, uso de máscaras e eliminação de focos das doenças, adotadas pelas sociedades em épocas passadas. “Saúde e economia não devem se digladiar. A cisão entre as duas áreas torna-se um perigo para a população. Uma economia desenvolvida depende de uma sociedade saudável”, defende a professora da UFMG.

Dirlene Nascimento lembrou ainda que é inédito o isolamento social generalizado ora imposto como medida de prevenção da covid-19 – em pandemias passadas, isolava-se apenas o doente. “Essa medida desvelou as grandes desigualdades sociais. Como bem analisou a pesquisadora Lísia Trindade, atual presidente da Fiocruz, a pandemia não é a mesma para todos. A tempestade é a mesma, em um mar onde há vários tipos de barcos, de iates a canoas, o que exige de nós uma reflexão sobre as desigualdades”, concluiu.

Ciência para o desenvolvimento
A defesa de um país menos desigual e mais democrático, onde não haja racismo, sexismo ou homofobia, orientou as intervenções do presidente da SBPC, Ildeu Moreira, e do secretário regional da entidade em Minas, Luciano Mendes de Faria.

“A ciência é uma importante estratégia para o desenvolvimento, considerando o futuro que queremos para o país. Essa crise não começou com a pandemia. Por isso, precisamos investir em estratégias de organização coletiva, que têm na SBPC um ótimo exemplo”, afirmou o professor Luciano Mendes.

O presidente da SBPC, Ildeu Moreira, reforçou a necessidade de aproximar a ciência da cultura, dos movimentos sociais e dos saberes tradicionais, como foi proposto na programação regional de Minas Gerais. “Ainda precisamos convencer governantes da importância da ciência para o desenvolvimento do país. E promover ações conjuntas, como o lançamento do manifesto para liberação de 80% dos recursos do FNDCT [Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico]. Tudo isso contribuirá para a manutenção da infraestrutura das universidades”, afirmou.

Ildeu Moreira lembrou ainda a participação da SBPC no movimento nacional Pacto pela Vida e a atuação da entidade em defesa da ciência, da saúde, da educação, da cultura e do desenvolvimento sustentável.
(Com Centro de Comunicaçao da UFMG)