Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

Projeto incentiva ações para lidar com a saúde mental durante a quarentena

Segundo a Organização Mundial da Saúde, a saúde mental é um componente integral e essencial da saúde. É definida como um estado de bem-estar que permite ao ser humano desenvolver suas habilidades, lidar com o estresse do cotidiano, ser produtivo e contribuir com sua comunidade. Diante desse contexto, o projeto “Saúde mental e a COVID-19: informações e estratégias”, desenvolvido por professoresdo Departamento de Enfermagem Aplicada da Escola de Enfermagem da UFMG, visa divulgar, quinzenalmente, por meio das mídias sociais, informativos para ajudar a população em geral, a lidar com sua saúde mental durante o período da quarentena.

O atual cenário da pandemia do novo Coronavírus, que instaurou o isolamento social e a permanência dentro de casa, trouxe para as pessoas os sentimentos de solidão, insegurança e medo. O projeto, coordenado pela professora Renata Marques de Oliveira, surgiu após a observação da necessidade de ajudar a população a enfrentar esse dilema. “Um diferencial da atual pandemia é o fácil acesso às informações por meio das tecnologias digitais. Nunca estivemos tão bem informados sobre o que está acontecendo. Entretanto, o excesso de informações, algumas com conteúdo sensacionalista e equivocado, pode aumentar o estresse da população. Pensando nisso, é importante compartilharmos informações sobre como proteger, promover ou recuperar a nossa saúde mental mesmo estando em casa”, explica a professora.

Além de divulgar informações e estratégias que auxiliem a população geral a passar por esse momento difícil, o projeto também é responsável por elaborar informativos virtuais que visam a recuperação da saúde mental. “Os temas dos informativos serão definidos conforme a percepção das necessidades da população. Poderão ser abordados temas como interferência das Fake News na saúde mental, dicas para enfrentar a quarentena, resistência dos idosos quanto ao isolamento, como ajudar pessoas com Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) para que não ocorra agravo das obsessões e compulsões, entre outros. Os informativos são divulgados por meio das mídias sociais como Facebook, Instagram, WhatsApp, entre outros", explicou.
Informativos
Um dos informativos é sobre “A exigência por produtividade”, produzido por Milena Riera Lopes e Nicole Teixeira Xavier Lima, estudantes do curso de graduação em Enfermagem que fazem parte do projeto. A publicação aborda a necessidade de adaptação das pessoas para a vida inteiramente doméstica e a exigência pelaprodutividade no trabalho, somada a outras questões como o aprendizado das novas tecnologias para realizar o trabalho à distância, o cuidado da casa e o cuidado dos filhos.

produtividade“Para alguns, houve um novo discurso de obrigação de crescimento na vida pessoal e profissional, emparte motivado pela instabilidade da economia, desenvolvendo-se um constante monólogo interno de autocobrança e autojulgamento, propiciando maiores níveis de estresse, ansiedade e sensação de insuficiência frente às demandas. A cobrança excessiva pela produtividade no trabalho pode ser indicativo de falha na organização, visto que a mudança de ambiente não reduziu a jornada de trabalho, o que afeta diretamente a saúde mental dos trabalhadores. Os prejuízos advindos do não cumprimento das novas metas são cobrados e geram uma sensação constante de medo e de insegurança”, escrevem as alunas .

Em tempos de pandemia e incertezas com relação ao futuro, é necessário realizar o autocuidado para que esse momento seja transcorrido de forma mais leve possível e sem prejuízos.“É recomendável parar, respirar e avaliar a si próprio, pois cada indivíduo possui um limite que pode variar de acordo com a situação enfrentada. Por isso, é importante lembrar de não se cobrar além da própria capacidade, estabelecendo metas realistas para si.Cada sujeito possui objetivos diferentes e o desenvolvimento pessoal independe do outro, e por isso, não deve ser visto como uma competição”, finalizam.

Além da professora Renata, o projeto conta com as professoras Amanda Márcia dos Santos Reinaldo, Janaína Soares, Maria Odete Pereira e Teresa Cristina da Silva Kurimoto;dos alunos do curso de graduação em Enfermagem da EEUFMG, Elton JunioSady Prates Maria Luiza Sady Prates,Micaella Pereira Costa,Milena Riera Lopes, Nicole Teixeira Xavier Lima, Thalisson Carlos Campos Santos; da aluna da Universidade Federal de São João del-Rei,Bruna Eduarda Oliveira dos Anjos e da estudante da Universidade do Estado de Minas Gerais – Unidade de Passos, Lays Figueiredo Inácio da Silva.

Redação: Vívian Mota - estagiária de jornalismo
Edição: Rosânia Felipe- Jornalista