Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

UFMG integra pesquisa que investigará as mudanças provocadas pela Covid-19 nos hábitos dos brasileiros

CONVIDVerificar como a pandemia do novo coronavírus afetou ou mudou a vida das pessoas. Esse é o objetivo do projeto “ConVid -Pesquisa de Comportamentos”, que foi elaborado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). A pesquisa, que é dirigida à população adulta (18 anos e mais) e tem enfoque na população idosa, irá analisar as mudanças provocadas pela Covid-19 nos hábitos dos brasileiros em relação ao trabalho, rendimento, situação de saúde e acesso à assistência de saúde, estado de ânimo, costumes saudáveis como fumo, atividade física e sedentarismo, álcool e alimentação. Para participar e contribuir com uma melhor compreensão sobre os impactos da quarentena no Brasil, clique no link: https://convid.fiocruz.br/

A coordenação é da professora da Escola de Enfermagem da UFMG, Débora Carvalho Malta, junto com Celia Landmann, da Fiocruz e Marilisa Barros da UNICAMP. “A chegada da pandemia provocada pelo novo coronavírus no Brasil levou a uma série de iniciativas e de recomendações para a proteção das pessoas, que incluiu o isolamento social. As pesquisas de comportamento são fundamentais para entendermos o contexto em que os brasileiros estão vivendo e promovermos ações para ajuda-los a desenvolver bons hábitos nesse momento”, explica a professora Deborah Malta.

A pesquisa consiste no preenchimento de um questionário com duração de 10 a 15 minutos. As informações serão coletadas sem qualquer identificação dos participantes e os dados serão armazenados diretamente no servidor da Fiocruz. 

De acordo com a professora Deborah Malta, pretende-se divulgar a pesquisa para o máximo de pessoas possíveis, na população geral brasileira. “Para isso estamos convidando influenciadores, que ficarão responsáveis para enviar o link da pesquisa para um grande número de pessoas das suas redes sociais. Pedimos que quem participar envie o questionário para, pelo menos, outras 20 pessoas. Para obter a diversidade na amostra, desejamos que as pessoas convidadas sejam de faixas etárias diferentes (jovens, idade mediana, e idosos), homens e mulheres, e de diferentes condições sociais” ressaltou.

Para as pessoas de baixa escolaridade ou idosos que não saibam ou não consigam responder ao questionário pelo celular, há a possibilidade de ler o questionário para eles. Para tal, pode-se usar o link da pesquisa no computador ou celular, ler as perguntas e marcar as respostas dadas dos participantes.
Redação: Vívian Mota - estagiária de jornalismo
Edição: Rosânia Felipe- Jornalista