Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

Uso de máscara não dispensa isolamento social e higienização

mascaraA recomendação do Ministério da Saúde de uso universal de máscaras caseiras pela população brasileira como mais uma medida para reduzir a transmissão da Covid-19 – embora não haja comprovação científica de sua eficácia – deve ser acompanhada do cuidado com “os possíveis efeitos colaterais, advindos da falsa sensação de segurança oferecida pela peça", alerta o infectologista Mateus Rodrigues Westin, professor da Faculdade de Medicina da UFMG.

“O grande risco da recomendação do uso de máscara para a população em geral, mesmo para quem não apresenta sintomas da infecção, é as pessoas caírem na falsa sensação de segurança por estarem usando as máscaras e relaxarem com as medidas mais robustas, que vão impactar a cadeia de transmissão. Essas medidas são o isolamento social, a higienização frequente das mãos com água e sabão, ou álcool gel a 70%, evitar ao máximo tocar o rosto e, caso seja inevitável sair de casa, manter o distanciamento de, no mínimo, dois metros de outras pessoas”, observa o professor.

“Se as pessoas passarem a sair mais, a interagir mais com outras, a reduzir o distanciamento umas das outras, a tocar mais o rosto, os olhos, a boca e o nariz e a higienizar menos as mãos, isso pode não só anular ou suplantar o possível benefício da máscara como aumentar o risco de transmissão do coronavírus”, adverte.

Indicações
O uso de máscara é formalmente indicado para pessoas com sintomas e para profissionais da saúde que mantêm contato mais próximo com pacientes com suspeita ou confirmados com a Covid-19. A adoção do modelo cirúrgico ou N95 depende do tipo de assistência ou de procedimento realizado com os pacientes. Veja a nota técnica da Sociedade Brasileira de Infectologia que reúne orientações sobre o uso da peça.

Segundo o professor Mateus Westin, estudos recentes sobre o Sars-Cov-2 estimam que até 80% das infecções ocorreram a partir de pessoas que não apresentavam sintomas, mas que estavam com o vírus em período de incubação. "No ato de falar ou espirrar, eliminamos no meio ambiente partículas de saliva ou secreção respiratória, que podem conter agente infeccioso, tanto o coronavírus quanto outros vírus. Existe, sim, essa lógica de que a máscara pode funcionar como uma barreira mecânica, impedindo que essas partículas atinjam diretamente outras pessoas, diminuindo a transmissão do vírus. Mas não há evidências científicas robustas", esclarece o professor.

A grande questão, no entanto, ainda não respondida pela ciência, é se a máscara ajuda efetivamente as pessoas a se prevenirem. "Ou seja, se o suposto benefício do uso da máscara pela população seria realmente maior do que todos os outros potenciais riscos, efeitos colaterais do uso incorreto e do relaxamento com as principais medidas de prevenção recomendadas”, pondera o professor.

Várias cidades brasileiras já publicaram decretos que obrigam seus moradores a usar máscaras em ambientes públicos. Em Belo Horizonte, o prefeito Alexandre Kalil anunciou que essa obrigatoriedade passa a valer a partir de sexta-feira, dia 17.

Mais cuidados
Para as pessoas que, inevitavelmente, precisem sair de casa para trabalhar, circular em vias públicas, usar o transporte coletivo, ir ao supermercado ou farmácia, o uso da máscara também exige atenção. É imprescindível a higienização das mãos com água e sabão, ou álcool em gel 70%, antes e depois de pôr e retirar a máscara. Para pôr e retirar a peça, é importante utilizar as alças e não se deve encostar a mão à superfície externa da máscara.

Westin recomenda também trocar a máscara quando estiver umedecida e transportar o objeto usado, reutilizável, em saco plástico fechado, até fazer sua higienização com água e sabão, preferencialmente separada de outras roupas. Outro cuidado é não reutilizar as máscaras descartáveis, que devem ser embaladas em saco plástico e depositadas no lixo comum.

Como fazer máscaras
Para a confecção de máscaras artesanais, é preciso observar algumas especificações, como camada dupla de tecido, alças para prender nas orelhas ou atrás da cabeça e tamanho que garanta a cobertura adequada do nariz e da boca.

A estudante Nathalia Oliveira, do curso de Odontologia da UFMG, confecciona máscaras caseiras. Neste vídeo editado pela TV UFMG, ela explica como fazê-las.
/>/> (Com Centro de Comunicação da UFMG)