Calendário

Junho 2021
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom

UFMG sobe no ranking mundial QS por área de conhecimento

Na edição 2020 do QS World University Rankings by Subject (ranking QS mundial por área de conhecimento), a UFMG aparece com melhor desempenho que no ano passado. A Universidade saiu da posição média de 379ª do mundo para a de 362ª.

O QS avalia as universidades em cinco grandes áreas: Artes e humanidades, Engenharias e tecnologia, Ciências da vida e medicina, Ciências naturais e Ciências sociais e gestão.

De acordo com análise dos dados feita pelo diretor adjunto de Relações Internacionais, Dawisson Lopes, a UFMG teve crescimento em Artes e humanidades (posição 379 para 354), em Ciências da vida e medicina (305 para 286) e em Ciências naturais (401-450 para 399). Manteve-se entre as 450 melhores em Ciências sociais e gestão e teve pequena queda (308 para 318) em Engenharias e tecnologia.

Ciências agrárias e estatística
Quando o ranking detalha a classificação das instituições por áreas específicas, a UFMG mostra evolução significativa em Ciências agrárias e florestais (estava entre as 250 melhores e passou a figurar entre as 200) e se mantém entre as 200 mais bem ranqueadas em Estatística.

De 2019 para 2020, a Universidade subiu de faixa também em Linguística, Línguas modernas (em ambas, passou de 300 para 250), Ciências biológicas (350 para 250), Engenharia mecânica e aeronáutica (400 para 350). Melhorou ainda em duas áreas (Engenharia química e Ciências ambientais) em que não chegou a ser indexada em 2019 e a levaram à faixa das 300 melhores na nova edição do ranking.

A UFMG manteve o desempenho aproximado de 2019 em sete áreas específicas: Ciência da computação (faixa de 250), Engenharia elétrica e eletrônica (300), Sociologia (300), Medicina (300), Química (350), Matemática (400), Economia e econometria (450)

Reputação e citações
A avaliação ranking QS por área de conhecimento segue a combinação dos critérios de reputação no meio acadêmico, reputação entre os empregadores, citações em artigos científicos e o Índice H, que mede o impacto e a circulação da produção em pesquisa.

Para Dawisson Lopes, trata-se de avanço consistente na trajetória de internacionalização da UFMG. “Desde 2017, passamos da posição média 421 para a 362, considerando as cinco grandes áreas do saber que são avaliadas pela agência QS. E crescemos uniformemente, em todas essas grandes áreas”, diz. “Os microfundamentos da avaliação também enviam sinais encorajadores: em relação à última edição do ranking QS, a UFMG subiu ou manteve suas posições relativas em 75% dos campos disciplinares avaliados, alcançando, em dois deles, o seleto grupo das 200 melhores universidades do mundo. É um indicativo de que a nossa instituição vai por um bom caminho."

(Com Centro de Comunicação da UFMG)