Calendário

Novembro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
20
21
22
23
24
29

Anvisa decreta o fim do uso de gordura trans em alimentos industrializados até 2023

Foi aprovado no dia 17 de dezembro, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma resolução que determina a eliminação de gordura trans presente nos alimentos industrializados no Brasil até 2023. O objetivo da norma é reduzir o consumo da substância presente principalmente em alimentos ultraprocessados que em longo prazo acarretam muito malefícios à saúde.

A gordura trans, normalmente produzida pelo processo industrial de hidrogenação de óleos vegetais, pode ser encontrada também em produtos lácteos ou na carne de ruminantes, uma vez que surge em seu processo de digestão. De acordo com a professora do Departamento de Nutrição da Escola de Enfermagem da UFMG, Camila Kümmel Duarte, a gordura trans, também conhecida como gordura vegetal hidrogenada, creme vegetal ou gordura parcialmente hidrogenada, é usada para melhorar o aspecto de crocância e também aumentar o prazo de validade de alimentos industrializados. “Ela pode ser encontrada em diversos alimentos como massas instantâneas, pipoca de micro-ondas, salgadinhos, biscoitos, sorvete, dentre outros ultraprocessados. E seu consumo, em longo prazo, aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares, já que a gordura trans está associada diretamente a alterações no perfil lipídico, que é o aumento do “colesterol ruim” (LDL) e redução do “colesterol bom” (HDL)”.

chips A gordura trans pode ser encontrada em salgadinhos. Foto: Pixabay

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a eliminação global desse ingrediente pode evitar 500 mil mortes por ano. “Esses alimentos industrializados, além de possuírem grande quantidade de gordura trans, muitas vezes são considerados como calorias vazias, que são aquelas ricos em calorias, mas que não possuem micronutrientes e, ainda, podem conter excesso de sódio. Portanto, o consumo contínuo aumenta o risco de infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC). No Brasil, estima-se que o consumo excessivo de gordura trans seja responsável por 18 mil mortes por doenças coronarianas anualmente”, esclarece a professora.

Resolução
De acordo com a resolução aprovada pela Anvisa, as restrições ao uso de gordura trans serão aplicadas em três fases. Na primeira, que entrará em vigor em julho de 2021,iniciará a imposição de limites de gorduras trans industriais na produção de óleos refinados, limitando a 2% sua presença nesses produtos. Já a segunda fase, consiste na restrição de gordura trans industrial para os demais alimentos, com a adoção do mesmo limite de 2% de gorduras trans industriais do total de gordura presente nos alimentos em geral, industrializados e comercializados no varejo e atacado. A terceira fase será a eliminação total de gordura trans da composição dos alimentos industrializadas que iniciará em 1º de janeiro de 2023.

“A ideia dessa medida é que em longo prazo seja possível reduzir o impacto sobre a saúde cardiovascular do brasileiro e minimizar infartos, doenças coronarianas e também a mortalidade cardiovascular. Contudo, no primeiro momento o que podemos esperar é o impacto sobre o padrão alimentar das pessoas, é necessária uma maior conscientização da população sobre o consumo de alimentos ultraprocessados”, relata Camila.

Os alimentos industrializados estão associados com o desenvolvimento de diabetes, câncer, obesidade, doenças cardiovasculares, dentre outras enfermidades, e fazer a associação entre o consumo desses alimentos com o desenvolvimento dessas doenças é essencial para se mudar a dieta. Segunda a professora, é muito importante o consumidor saber o que ele consome e se há riscos associados àquele cosumo, como às doenças. De maneira geral, quando o indivíduo tem o conhecimento a respeito dos elementos que estão presentes nos alimentos, ele geralmente evita o seu consumo. Por isso é muito importante ler no rótulo das embalagens a quantidade de gordura, a lista de ingredientes e o seu valor nutricional”.

A professora destacou, ainda, que a melhor forma de evitar o consumo de industrializados contendo gordura trans é fazer uma dieta baseada em alimentos minimamente processados e in natura, que são os alimentos mais frescos, que contém mais nutriente que auxiliam na prevenção de doenças e diminuem complicações crônicas. “Para se pensar em longevidade e futuro saudável, nós devemos desembalar menos e descascar mais”, finaliza Camila.
Redação: Vívian Mota - estagiária de jornalismo
Edição: Rosânia Felipe- Jornalista