Calendário

Outubro 2020
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
24
25
26
27
28
29
30
31

Inscrições abertas para simpósio satélite Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância

Simpósio Satelite2Nos dias 3 e 4 de outubro, especialistas que são referência no Brasil e no exterior estarão reunidos no “VIII Simpósio Internacional de Desenvolvimento da Primeira Infância”, para discussão das práticas e programas para o melhor desenvolvimento das crianças brasileiras. O evento será realizado em São Paulo e transmitido ao vivo no auditório Maria Sinno da Escola de Enfermagem da UFMG.

O simpósio satélite é coordenado pela professora do Departamento de Enfermagem Materno Infantil e Saúde Pública da EEUFMG, Delma Aurélia da Silva Simão, promovido pelo Núcleo Ciência pela Primeira Infância (NCPI), apoiado pelo Grupo de Estudos sobre recém-nascidos, crianças, adolescente e suas famílias (RECRIA) e pelo Ambulatório da Criança de Risco (ACRIAR).

O foco estará em três abordagens principais: o meio e a genética; a pobreza e o acesso à oportunidades; equidade e qualidade dos serviços públicos. No primeiro dia do evento, estão programados painéis sobre os temas: Ambiente favorável à equidade e a perspectiva da epigenética; Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) como orientadores das Políticas Públicas de Primeira Infância; Integração e focalização de políticas - Riscos e oportunidades nos primeiros três anos; Qualidade como componente chave para a equidade. Já no dia 4 de outubro, será realizada uma conversa com o médico cancerologista formado pela USP, Drauzio Varella, e um painel sobre comunicação e engajamento das famílias. As atividades serão moderadas por professores, alunos e pesquisadores do RECRIA. Confira aqui a programação completa.

As inscrições são gratuitas, limitadas e podem ser feitas até o dia 2 de outubro, no Centro de Extensão (CENEX) da EEUFMG, localizado no 2º andar do prédio, pelo email cenex@enf.ufmg.br ou ainda pelo telefone 3409-9831 , de 8h às 12 e de 13 às 17h.

Primeira Infância
A primeira infância compreende a fase dos 0 aos 6 anos e é uma etapa fundamental na vida do ser humano para que ele possa realizar seu potencial ao longo de sua existência. Evidências científicas têm demonstrado que o cérebro se desenvolve rapidamente nos primeiros anos de vida e é muito sensível aos cuidados e estímulos ambientais. Trata-se de um período que é tido como uma “janela de oportunidade”, porque nele a aprendizagem de habilidades e o desenvolvimento de aptidões e competências acontecem com maior facilidade.

É um período crucial no qual ocorre o desenvolvimento de estruturas e circuitos cerebrais, bem como a aquisição de capacidades fundamentais que permitirão o aprimoramento de habilidades futuras mais complexas.
Crianças com desenvolvimento integral saudável durante os primeiros anos de vida têm maior facilidade de se adaptarem a diferentes ambientes e de adquirirem novos conhecimentos, contribuindo para que posteriormente obtenham um bom desempenho escolar, alcancem realização pessoal, vocacional, econômica e se tornem cidadãos responsáveis.

A aprendizagem inicia-se desde o começo da vida. Muito antes de a criança entrar na escola, enquanto cresce e se desenvolve em todos os domínios (físico, cognitivo e socioemocional), ela aprende nos contextos de seus relacionamentos afetivos. Especialmente na primeira infância, a aprendizagem é fortemente influenciada por todo o meio onde a criança se encontra e com o qual interage. A criança aprende no ambiente de seus relacionamentos, que por sua vez afetam todos os aspectos de seu desenvolvimento.

Núcleo Ciência Pela Infância
O Núcleo Ciência Pela Infância (NCPI) foi criado em 2011 com o objetivo de promover o desenvolvimento da primeira infância no Brasil, período que abrange os primeiros seis anos completos – ou 72 meses de vida – de uma criança.

Trata-se de uma aliança de organizações de naturezas e competências diversificadas, com o objetivo de traduzir a ciência sobre o desenvolvimento da primeira infância para a sociedade, aproximando-a da prática e de políticas públicas.

Ao longo da sua trajetória o núcleo evoluiu em suas estratégias de atuação e atualmente conta com quatro principais. São elas: ciência e inovação; mobilização e desenvolvimento de lideranças; comunicação e disseminação e; monitoramento e avaliação.