Calendário

Agosto 2019
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pós-doutoranda apresenta experimentações em educação e saúde

amanda natNa 4ª edição do Ciclo de Debates da Pós-Graduação em Enfermagem, realizada nesta sexta-feira, 7 de dezembro, a pós-doutoranda Amanda Nathale Soares trouxe o tema “Experimentações em Educação e Saúde”, pesquisa desenvolvida durante seu estágio pós-doutoral na Escola de Enfermagem da UFMG. “Minha apresentação faz parte de uma proposta do Colegiado de Pós-Graduação de divulgar na Escola as produções realizadas no contexto do pós-doutorado”, contou.

A coordenadora do Colegiado de Pós-Graduação, professora Kênia Lara, reforçou a fala de Amanda. “É a primeira apresentação de um relatório de pós-doutorado concluído no programa na forma de um evento aberto. A ideia é que a gente possa socializar esses trabalhos que estão sendo feitos no Programa de Pós-Doutorado e que os concluintes possam trazer um pouco do que foi seu trabalho, da pesquisa que desenvolveram e dos resultados que alcançaram”, afirmou. Sobre o trabalho em específico apresentado no Ciclo, Kênia comentou: “particularmente essa pesquisa envolve uma intervenção numa disciplina do programa de pós-graduação, os elementos que a Amanda traz ajudam a repensar a disciplina em si e também se mostram como uma prática de experiência exitosa de ensino”.

Amanda explicou que as experimentações apresentadas foram desenvolvidas durante a disciplina "Teorias do Conhecimento e da Educação nas Práticas Educativas em Saúde" ofertada na Pós-Graduação em Enfermagem. Ao todo foram três experimentações, a primeira delas abordou o tema da amizade por meio da técnica da arpillera, a segunda, a internação psiquiátrica a partir de uma intervenção urbana e a terceira, o processo saúde-doença por meio da técnica do Teatro-Imagem.
Redação: Teresa Cristina– estagiária de Jornalismo
Edição: Rosânia Felipe

“A pesquisa de pós-doutorado permitiu-me recortar, em outro contexto, duas questões que trabalhei intensamente durante o doutorado, a proposta de pensar a educação como experimentação e também o referencial teórico-metodológico da pesquisa-interferência cartográfica”, afirmou. A pós-doutoranda contou que os dados da pesquisa foram produzidos através de observação, entrevistas e fotografias a partir dos encontros que compuseram a disciplina.

Amanda esclareceu, ainda, que a proposta da pesquisa é necessária pois age em um ponto que falta no contexto da pós-graduação. “Esse tema faz um enfrentamento a uma lacuna importante que a literatura aponta: a escassez de discussões na pós-graduação stricto sensu em saúde e enfermagem sobre conceitos relacionados à educação e às teorias pedagógicas”, defendeu.

Além disso, ela enfatizou que a discussão torna-se importante para reorientar os modos de ensinar e aprender no ensino superior e para favorecer uma prática profissional mais implicada com os princípios do SUS. A pesquisa, dessa forma, faz circular discussões sobre teorias pedagógicas e cumpre a sua proposta de se produzir experimentações na pós-graduação para potencializar as interseções entre saúde e educação no contexto do SUS.