CEEO promove I Encontro de Lideranças em Enfermagem Obstétrica

Na última quarta-feira, 10 de agosto, a Escola de Enfermagem da UFMG recebeu o I Encontro de Lideranças em Enfermagem Obstétrica, que teve o tema “Desafios e Perspectivas para a Formação e Inserção de Enfermeiras (os) Obstétricas (os) em Minas Gerais.

Com o objetivo de contribuir para a elaboração de ações em curto, médio e longo prazo para a construção de uma realidade que possibilite melhorias na atuação da Enfermagem Obstétrica em Belo Horizonte e região Metropolitana, Uberlândia e Diamantina, o evento reuniu enfermeiros e representantes de maternidades da região.

Foto para por no site

 A enfermeira obstetra e professora da Universidade Estadual do Rio de  Janeiro (UERJ), Edymara Tatagiba Medina, falou em mesa redonda sobre o  contexto da Enfermagem Obstétrica no município do Rio de Janeiro, desde a  sua constituição e consolidação, até o momento atual, além dos desafios  enfrentados pela categoria na cidade. “Temos que fortalecer a rede de  integração entre os enfermeiros e trabalhar a visibilidade da nossa categoria  perante a sociedade e as instituições. A população precisa conhecer o papel  da enfermeira obstetra e como ela pode contribuir para o parto”, disse.

 Outro ponto destacado pela professora foi a resistência enfrentada pela  categoria perante outros setores. “Por mais consolidada que a Enfermagem Obstetra esteja, ainda enfrentamos muita resistência, mas vivemos de desafios. Nos últimos 30 anos tivemos avanços maravilhosos, mas ainda há questões que precisam ser trabalhadas como a violência moral com o profissional, a violência institucional e a restrição de certas atividades, que ainda são fatos presentes no nosso dia a dia”.

Edymara também apontou o papel de cursos como o do CEEO na atuação dessas mudanças. “Só conseguimos mudar modelos se tivermos pessoas para atuarem nesses modelos. Esse curso está se constituindo como modelo de intervenção e vai trazer um diferencial onde ele estiver acontecendo. Só se muda a prática com pessoas, que vão estar fazendo esse diferencial”, concluiu.

Já a responsável técnica de Enfermagem do Hospital Sofia Feldman, Ana Paula Laje Guimarães Valerini, falou sobre a experiência do hospital em relação a assistência da Enfermagem Obstétrica há mais de 30 anos. “O Sofia é um hospital pioneiro nessa área, então já temos todos os avanços básicos que existem e temos alguns mais à frente de todos os outros hospitais, com a inserção do enfermeiro obstetra no atendimento, fazendo a admissão da mulher, dando alta, atendendo ao recém-nascido na sala de parto e fazendo a assistência durante o pós-parto, por exemplo”, ressaltou.

A professora da EEUFMG e coordenadora local do CEEO II, Torcata Amorim, ressaltou que a Enfermagem Obstétrica é uma área de conhecimento que está sendo valorizada e que tem seus profissionais requisitados pelas políticas de governo, mas que ainda precisa vencer alguns desafios. “A Enfermagem Obstétrica precisa ser reconhecida como profissão. Já estamos trabalhando nisso há muito tempo, com a própria inserção no mercado de trabalho, e já tivemos alguns resultados. As políticas de governo que exigiram a inserção de enfermeiros obstetras nas maternidades já foram um ganho muito grande para a categoria. ”

Ela também avaliou o Encontro como um evento importante por além de divulgar o curso, divulgar também a seriedade da profissão e mostrar como os enfermeiros obstetras, além de estarem sendo inseridos, estão também se unindo para vencer os desafios e para se fortalecerem. “Cursos como o CEEO são fundamentais para formar profissionais completos, capazes de atender a mulher desde antes da concepção do bebê até o pós-parto. Esses profissionais têm um papel muito importante na saúde materna, fetal e neonatal”.

Realização

 

IFES Participantes

  • ufvjm sa ufpr

Apoio

 

Please publish modules in offcanvas position.